A História
A lavagem intestinal é uma ciência terapêutica milenar, com registros que ultrapassam o século IX AC. Papiros indicam, por exemplo, que os faraós tinham seu próprio terapeuta para realizar lavagens intestinais. Os egípcios tinham este costume por estudar e observar o pássaro Íbis (que usava seu longo bico para injetar água no próprio reto).

Conhecida na Grécia Clássica, mais tarde a lavagem intestinal foi comprovada por Hipócrates (o pai da Medicina – 450 AC), que utilizava o método em seus pacientes para o tratamento de febres. Clister, chá de bico e enemas são alguns dos nomes e métodos utilizados pelos mais antigos para lavagem intestinal. Nos dias atuais, a limpeza do cólon volta a ser destaque, e célebres médicos têm defendido preceitos de alimentação saudável aliados à medidas de higiene intestinal na desintoxicação, recuperação e conservação da saúde.

Inspirada nas bolsas de couro e galhos de sabugueiro de Hipócrates, assim como na cana de bambu oco utilizada pelos egípcios, na cabaça grande com talo comprido sugerida por Jesus - conforme consta no Evangelho Essênio, as lavagens intestinais de antigamente foram traduzidas para a atualidade com métodos mais confortáveis e mais efetivos, levando em conta o estresse, a alimentação desnaturalizada e o sedentarismo atuais e menos comuns naqueles tempos.